Depois de uma pausa, a coluna Aposta da Semana está de volta com uma entrevista especial com a sambista Ana Clara. Vamos ver um pouco da história dela?

Conhecida como uma das grandes revelações do samba, Ana Clara iniciou sua carreira musical aos 14 anos. Mas foi em 2013 que a sua carreira começa a dar uma virada com o lançamento do seu primeiro CD “Aos Quatro Cantos”, que recebe muitas críticas positivas.

No ano seguinte, a sambista lança o seu primeiro EP “Essa Sou Eu” com cinco faixas. Seu sucesso foi tanto que logo depois foi convidada para participar do projeto “Gigantes do Samba”, turnê que contava com os shows de Belo, Luís Carlos (do Raça Negra) e Alexandre Pires.

Em 2016 é lançado o “Ana Clara Acústico”, com a participação de Daniel, Gustavo Lima e o mastro João Carlos Martins. Ano passado, Ana lançou o EP “A Gente Sempre Ganha”, com participações especiais de Atitude 67 e de Alcione, que realiza a parceria na música “Não Deixe o Samba Morrer”, um dos seus grandes clássicos que ganha uma nova roupagem.

Agora a cantora acaba de lançar o single “Coração Feliz”, presente na trilha da novela “Bom Sucesso”, como tema da protagonista Paloma (Grazi Massafera). Com isso, o OA a entrevistou para falar sobre a música, de seus projetos musicais e de como iniciou a sua história no samba. Bora conferir?

OA – Você está lançado a música “Coração Feliz”, gravada originalmente pela Beth Carvalho e que está presente na novela das 19h “Bom Sucesso”, sendo tema da protagonista interpretada pela Grazi Massafera. Como surgiu essa ideia da regravação? Foi especialmente pra novela?

Ana – “Eu acho que desde o início tive uma conexão muito grande com a música “Coração Feliz”. Fizemos várias pesquisas para chegar nessa música. Muito curioso porque nunca ninguém havia regravado essa música. “Coração Feliz” fui interpretado somente pela Beth Carvalho lá em 1984 e eu achei que ia super cair bem uma roupagem mais atual. Eu tenho 25 anos e tudo que faço tento ao máximo colocar minha identidade e trazer uma sonoridade mais moderna, mais descolada, porque um dos meus objetivos é trazer o público jovem pro samba. Essa música “Coração Feliz” é uma música que quem conhece mesmo são sambistas, mas eu credito que essa seja a oportunidade de outras pessoas ouvirem essa música. Me sinto muito feliz e muito honrada por ela ter sido cantada e interpretada pela Beth Carvalho, uma grande referência pra mim. Entrar na novela foi uma surpresa e um presente muito grande. Eu assisto a novela e fico vibrando e feliz demais por estar levando o legado da Beth Carvalho.”

OA – Você é tida como uma das revelações femininas do samba. E como foi a influência do gênero musical na sua vida?

Ana – “A minha história com a música começa desde quando eu estava na barriga da minha mãe. Venho de uma família muito musical, comecei a fazer aulas de violino muito cedo, eu tinha quase três anos de idade. Então a minha relação com a música foi muito próxima. Mas com o samba, todo mundo fica se perguntando: ‘nossa, você começar fazendo aula de violino clássico, qual é a relação com o samba?’ Mas o meu pai sempre foi uma grande influência na minha vida, porque, ele sempre foi um grande amante do samba. Lembro bem que quando era pequena ele reunia os amigos em casa, fazia roda de samba em casa e eu já pequenininha já batucava. Tudo o que aprendi sobre samba foi com o meu pai. As músicas que eu canto até hoje, muitas coisas em vários shows eu lembro muito dele. Nunca foi uma imposição dele, mas quando tá no nosso sangue não tem jeito. Então, é uma paixão minha de sempre, que corre na minha veia, que corre na veia da minha família e eu sou muito feliz por isso.”

OA – Ainda sobre o seu início: como você chegou até os “Gigantes do Samba”?

Ana – ““Gigantes do Samba” foi um presente na minha vida. Eu já havia trabalhado com o Alexandre Pires e com o Belo anteriormente, só nunca tinha trabalhado com o Luís Carlos. No Gigantes 2, que foi o projeto que eu participei, eles estavam procuram uma cantora para fazer parte do show. EU dizia que era um espetáculo porque imagina, três gerações e um público imenso, repertório incrível, três grandes artistas renomados no nosso seguimento. Eles estavam procurando uma mulher que pudesse cantar clássicos do samba e principalmente pelo lance da renovação, sabe? Dar oportunidade para um quarto integrante no projeto que pudesse renovar. Eu sempre digo que esse projeto “Gigantes do Samba” foi um marco na minha vida. Existe uma Ana Clara antes do “Gigantes do Samba” e uma pós. Foi um ano de turnê, fizemos mais de 200 shows no ano, fizemos shows fora do Brasil. Foi uma experiência única, um aprendizado todo dia na estrada com eles, era um aprendizado diferente. Então, eu sou muito grata pela oportunidade que me deram. E quem diria, nunca na vida eu pensei que pudesse ter oportunidades como essa. São três pessoas que sempre fui muito fã, sempre tive como referência na minha vida profissional. Foi uma bagagem muito grande, pensa que eu fazia na época shows normais em barzinhos, em baladinha. Aí quando de repente eu pisco e to num público com mais de 50 mil pessoas. Conheci lugares que nem imaginava, culturas diferentes, foi uma oportunidade e tanto assim. “Gigantes do Samba” foi um marco na minha vida.”

OA – Recentemente você lançou o EP “A Gente Sempre Ganha”, com a participação da Alcione no clássico “Não Deixe o Samba Morrer”, como foi a sensação deste momento?

Ana – “Lancei o EP “A Gente Sempre Ganha” ano passado, se eu não me engano foi em agosto ou setembro, tive a participação da Alcione e do Atitude 67. Bom, a sensação de gravar com Alcione eu não tenho nem palavras. Eu fiquei super feliz que ela aceitou o convite prontamente. Ter o aval de uma cantora incrível, interprete e cantora com super personalidade foi maravilhoso. Fiquei super feliz. Aquele dia eu tava em êxtase, porque primeiro que foi a gravação do meu primeiro DVD, que esse projeto foi divido em duas partes, inclusive agora no final de agosto lança o DVD inteiro. Ela é uma pessoa incrível, maravilhosa, admito muito o trabalho dela.”

OA – Ainda sobre parcerias: quem você ainda sonha realizar uma parceria?

Ana – “Poxa, Ivete Sangalo, minha musa master, Djavan. Ai tem tantas pessoas, mas essas duas foram a que vieram na minha cabeça”.

OA – Você faz bastante regravações de clássicos do samba. Qual ainda você não gravou e tem muita vontade?

Ana – “Eu acho que esse lance de regravação é muita coisa de momento. São ideias que surgem ao longo do percurso, mas não tem nada em mente. O que me der na telha eu vou lá e gravo. Eu acho que todo trabalho que eu fiz (Ana Clara possui três discos gravados e um DVD) eu sempre escolho alguma música para cantar de um jeito diferente, com arranjo diferente. Como falei anteriormente, eu sempre tento imprimir a minha personalidade na música. Vira e mexe eu sempre canto alguma coisa de alguém e fica legal. Fazer essa ponte entre o novo e o que já existe é muito legal.”

OA – Há dois anos atrás você lançou o “Ana Clara Acústico”. Podemos esperar uma continuação deste projeto?

Ana – “O projeto “Ana Clara Acústico” aconteceu de uma forma muito espontânea. Na primeira vez que eu gravei essa vídeo, nem imaginei dar continuidade ao projeto. Eu tava gravando com os amigos e comecei a gravar frequentemente, chamando amigos e cantores próximos, não só do seguimento do samba, mas da música no geral. No meu canal tem diversos vídeos com diversos cantores diferentes, isso que é o mais legal. O projeto veio no intuito na verdade de cantar o que a gente tá com vontade, do tipo ‘ah, vamos sentar no sofá e fazer um som’. Foi assim que surgiu sem querer e que virou um projeto muito legal, porque eu vejo quando não lanço o vídeo do acústico as pessoas ficam me cobrando, tipo “meu, quando vai sair o próximo?”. É muito legal ver que as pessoas esperam por isso porque é muito diferente. E eu, por ser uma cantora de samba, pude mostrar também outras vertentes, outras coisas que gosto de ouvir, influências, referências na música. Tiverem cantoras que toparam gravar e que eu fiquei muito feliz de receber. Poxa, o canal deve ter mais de 40 vídeos do acústico, então foi e é um projeto que amo fazer. Agora a continuação dele é aqui na minha casa, inclusive “Ana Clara Acústico em Casa”. E é muito legal assim, porque é muito espontâneo, muito livre pra gente cantar e conversar o que a gente quiser, sem aquele lance de ter que seguir as coisas de sempre. É uma coisa que a gente canta e a gente toca o que tá afim, o que a gente gosta de ouvir, e isso é o mais legal.”

OA – Quais são os seus planos futuros?

Ana – “Os planos futuros de imediatos são divulgar o meu DVD “A Gente Sempre Ganha” e divulgar também a música “Coração Feliz”, que entrou como faixa bônus do DVD. Tem bastante trabalho pela frente, quero ir para estrada fazer show, que eu to morrendo de saudade porque fiquei um tempo sem fazer show por causa das gravações, então eu to assim, louca de vontade de ir para estrada, levar o meu trabalho por esse Brasilzão, mas ao mesmo tempo estamos aqui pensando em coisas para o ano que vem. Quero mais que todo mundo acompanhe para saber quais são os próximos passos.”

Chega mais nas redes sociais!
error