Teatro

Resenha: “Silvio Santos vem Aí”, em cartaz em São Paulo

Se, ao ler o nome de Silvio Santos, você se lembra automaticamente da música de abertura de algum dos programas do comunicador, você viveu os anos dourados do SBT corretamente!

No último dia 15, o grande público de São Paulo pôde ver pela primeira vez, a montagem de Silvio Santos Vem Aí, em cartaz no 033 Rooftop.

Contando a história do Homem do Baú de uma maneira diferente e irreverente, o espetáculo não deixa de fora quase nenhum detalhe da vida pessoal e profissional de Silvio, que muitas vezes acabam por se confundir e fundir em uma só. Tudo começa com a questão que o comunicador teve nas cordas vocais, necessitando de cirurgia. A partir deste fio condutor, a trama se desenrola.

Elementos de sua carreira, com direito ao “Show de Calouros” e o programa “Qual é a Música” não faltam nessa verdadeira biografia encenada do artista: além das colegas de trabalho, como Silvio costuma chamar suas fãs, artistas como Pedro de Lara (vivido brilhantemente por Ivan Parente, que aparece basicamente o tempo todo do espetáculo), Sérgio Mallandro (interpretado por Vinicius Loyola, que diverte a plateia de uma forma impar), e até mesmo o Palhaço Bozo (Lucas Colombo está surpreendente no papel), além de um contagiante Sidney Magal (interpretado por Rafael Aragão), fazem parte desse grande programa de auditório em que o espectador vai se sentir.

(Adriano Dória)

Tudo isso, com a coordenação de Roque, interpretado por Roquildes Junior. Atrizes fazendo papel de pessoas comuns do auditório, que estão no meio da plateia comum, trazem grande surpresa aos que estão assistindo.

Antes de o espetáculo começar, o animador de plateia mais famoso do Brasil dá instruções e levanta placas de “aplausos” e “vaias”, entre outras coisas, como costuma acontecer em uma gravação de programa de verdade. Os pompons, distribuídos nas cadeiras e que podem ser utilizados durante todo o espetáculo, são um detalhe à parte.

Sua infância e adolescência como camelô não ficam de fora. Gustavo Daneluz é o jovem Silvio, quando ainda era mais conhecido como Senor Abravanel. Em dado momento, Silvio jovem e mais maduro se encontram, garantindo a emoção do espetáculo.

E por falar em emoção, o apresentador Gugu também faz uma participação especial na produção. Vinicius Loyola faz o espectador matar um pouco as saudades do artista, que morreu em 2019. De maneira sutil, o público consegue entender a relação entre os dois e, a fala de Gugu, certamente é o que o artista diria a Silvio, se tivesse uma última chance.

Seu primeiro casamento, com Cidinha (vivida por Talitha Pereira), bem como o nascimento de suas filhas e seu casamento atual com Iris Abravanel (interpretada por Bianca Rinaldi, que é uma verdadeira dama em cena, digna do que representa a esposa do Homem do Baú), são retratados de maneira sensível e discreta, como sempre foi a vida pessoal de Silvio.

Com direção de Fernanda Chamma, “Silvio Santos Vem Aí – O Musical” se mostra nostálgico desde a entrada ao 033 Rooftop: elementos como as Portas da Esperança, o Pião da Casa Própria e a Cabine de Prêmios, muito famosa pelo Domingo no Parque, estão disponíveis para o público se divertir, sempre com o auxílio de uma das assistentes também famosas nos programas de Silvio, como forma de proteção à COVID-19. Toda a trilha sonora também irá remeter os fãs mais saudosos, à épocas muito especiais da carreira do apresentador.

Desde antes do musical começar, a ambientação sonora já faz com que quem vai assistir, se emocione: as músicas vão desde a abertura clássica do Domingo Legal, até a trilha do Show do Milhão, recentemente revivida através do programa, que agora passa às sextas-feiras, sob o comando de Celso Portiolli.

Também no pré-espetáculo, uma surpresa assustadora está presente: você se lembra da pegadinha da menina do elevador? Ela está presente, passeando pela entrada do 033 Rooftop e pelo cenário do espetáculo antes e no intervalo. Quem a interpreta é a atriz Giovanna Moreira. Cuidado para não passar por ela e levar um susto!

Toda a produção é um convite a imersão no universo do SBT desde seus primórdios, quando Silvio, com certa dificuldade, conseguiu a concessão do canal e o transformou numa verdadeira tradição, que até hoje é tão amada por públicos de todas as idades. O cenário da Ditadura Militar explica como foi a saga do comunicador até conseguir colocar seu canal de TV no ar.

O relacionamento profundo com Manoel de Nóbrega, bem como a história do Baú da Felicidade, é embalado pela canção “Amigo”, de Roberto Carlos, que é lindamente cantada por Léo Rommano, intérprete de da Nóbrega. O programa “A Praça é Nossa” é representado por Manoel, com participação especial de Hebe e da Velha Surda (Adriano Tunes), sem deixar de lado o famoso banco da praça.

Por vezes, principalmente no início, sob o comando de Roquildes e na ida para o intervalo, onde a Velha Surda (Adriano Tunes está fazendo uma releitura incrivelmente divertida da personagem), pergunta onde é a entrada para “Donna Summer”, o que garante a diversão do público até o momento antes de uma pausa até o segundo ato. Isso dá ainda mais o sentimento de se estar mergulhado no que a produção propõe. Câmeras também passeiam pelo cenário, relembrando os tempos do Show de Calouros.

A referência com o musical “Donna Summer” se deve ao fato de que o espetáculo se encontra no mesmo complexo, no Teatro Santander.

“Silvio Santos Vem Aí” foi feito e pensado para ficar em cartaz antes da COVID-19, porém, com a realidade que se impôs, houve uma pausa. Agora, no retorno, sacadas descontraídas e comentários sobre a pandemia foram inseridos. A saudosa apresentadora Hebe (vivida por Daniela Cury) deixa de dar selinhos e explica o motivo, a Velha Surda chega a dizer que irá tomar a terceira dose da vacina e o tempo todo Silvio Santos relembra a importância do distanciamento social neste momento.

Velson D’Souza, o grande responsável por trazer Silvio Santos para o palco, faz o público se emocionar e rir com sua atuação, tão semelhante ao original e, ao contrário do que muitos possam pensar, nada caricato. Os trejeitos estão na medida correta para que a homenagem esteja justa ao significado do artista, que é inspiração para tantos outros.

(Divulgação)

Pedro de Lara, vivido por Ivan Parente, é quase uma figura onipresente: é difícil encontrar uma cena em que ele não esteja, o que fica muito divertido, pois de Lara sempre foi uma figura amada e odiada pelos fãs do Show de Calouros.

(Divulgação)

Personalidades como Gretchen (Talitha Pereira) complementam o time de celebridades homenageadas.

E não são só as personalidades que marcaram a história do SBT e de Silvio Santos que estão presentes no espetáculo. Canções como “Não se Vá”, de Jane e Herondy são interpretadas em cena.

Os fãs da história da televisão brasileira não podem perder esta grande homenagem! “Silvio Santos Vem Aí” está em curta temporada em São Paulo, por isso, pegue sua máscara, seu álcool em gel e vá conferir!

(Adriano Dória)

SERVIÇO:


Temporada: 15 de outubro a 21 de novembro de 2021


Sessões: sextas-feiras às 20h30, sábados às 15h30 e às 20h30, domingos às 15h e às 20h


Duração do espetáculo: 2 horas e 15 minutos (com 15 minutos de intervalo)


Local: 033 Rooftop (cobertura do Teatro Santander) – Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041 – Vila Olímpia, São Paulo – SP


Capacidade: 248 lugares (67% do total)
Setores e preços: Setor VIP R$180,00 e Setor 2 R$75,00


Ingressos: http://www.sympla.com.br


Bilheteria física: das 12h às 20h


Formas de pagamento: Dinheiro, Cartão de débito e Cartão de crédito.

Nicole Gomez
Formada em Rádio e TV, sou uma apaixonada por Teatro Musical e acredito que a Cultura pode mudar vidas.

More in:Teatro