Letras

Letra: ‘Anjos Tronchos’ – Caetano Veloso

Uns anjos tronchos do Vale do Silício Desses que vivem no escuro em plena luz
Disseram: vai ser virtuoso no vício
Das telas dos azuis mais do que azuis.

Agora a minha história é um denso algoritmo Que vende venda a vendedores reais, Neurônios meus ganharam novo outro ritmo E mais e mais e mais e mais e mais.

Primavera Árabe – e logo o horror.
Querer que o mundo acabe-se: Sombras do amor.

Palhaços líderes brotaram macabros No império e nos seus vastos quintais Ao que revêm impérios já milenares Munidos de controles totais.

Anjos já mi ou bi ou trilionários Comandam só seus mi, bi, trilhões E nós, quando não somos otários,
Ouvimos Shoenberg, Webern, Cage, canções…

Ah, morena bela Estás aqui
Sem pele, tela a tela:
Estamos aí.

Um post vil poderá matar Que é que pode ser salvação?
Que nuvem, se nem espaço há
Nem tempo, nem sim nem não. Sim: nem não.

Mas há poemas como jamais Ou como algum poeta sonhou
Nos tempos em que havia tempos atrás
E eu vou, por que não? Eu vou, por que não? Eu vou.

Uns anjos tronchos do Vale do Silício Tocaram fundo o minimíssimo grão
E enquanto nós nos perguntamos do início Miss Eilish faz tudo o quarto com o irmão.

More in:Letras