CríticaNetflix

Crítica – ‘Enola Holmes’ dialoga com o feminismo atual mesmo se passando no século XIX

ENOLA HOLMES (L to R) HENRY CAVILL as SHERLOCK HOLMES, MILLIE BOBBY BROWN as ENOLA HOLMES, SAM CLAFLIN as MYCROFT HOLMES. Cr. ROBERT VIGLASKI /LEGENDARY ©2020
Advertisement

Inspirada nos livros de Nancy Springer, “Enola Holmes” é daquelas histórias que te encantam só pelo olhar da personagem, que é no longa é interpretada pela Millie Bobby Brown.

O longa gira em torno do desaparecimento da mãe de Enola, a Eudoria (Helena Bonham Carter), que faz com que a faça ir morar com os seus irmãos Sherok Holmes (Henry Cavil) e Mycroft (Sam Claflin), que a manda para um colégio interno com a meta que se transforme em uma data. Porém, tudo muda e a jovem foge e se envolve no desaparecimento de Visconde Tewkesbury, Marquês de Basilwether (Louis Partridge).

A adaptação com o roteiro de Jack Thorme conseguiu manter o fôlego da aventura com as suas cenas de ação, conflitos e até mesmo o diálogo que a Enola tem com as câmeras, algo que o diretor Harry Bradbeer usa em sua série que digirie, a premiada “Flaebag”. Trás uma sensação de um olhar mais próximo e que nos envolve mais. Além disso, o roteiro ainda tem em sua qualidade a forma que ajudou construir Enola.

ENOLA HOLMES. (L-R) MILLIE BOBBY BROWN as ENOLA HOLMES, HELENA BONHAM CARTER as EUDORIA HOLMES. Cr. ALEX BAILEY/LEGENDARY ©2020

A personagem critica o feminismo da época e acaba se conectando com a sociedade atual em suas palavras. Isso só veio a somar em uma história que por si só já enalta isso. Durante a sua trajetória, isso fica cada vez mais evidente, principalmente com a sua resistência ao conservadorismo. A personagem em si uma menina a frente de seu tempo.

Se para Enola o seu personagem é bem construído, assim não fica com os demais, principalmente a de sua família. Apesar de Sherok já ser vendido como um personagem sem o protagonismo, sua construção não fica clara e soou um pouco escura, assim como de seu irmão.

O outro ponto que deve ser destacado é o seu arco final, que apesar de toda empolgação, acaba sendo previsível para um filme que mistura aventura com mistério.

Ademais, “Enola Holmes” é uma das melhores produções da Netflix em 2020 e tem tudo para se destacar em premiações e ter uma continuação nos próximos anos.

Advertisement
Advertisement
Advertisement

More in:Crítica