Televisão

Aline Borges, a Zuleica de ‘Pantanal’, quase aceitou convite para o ‘Power Couple’

No ar atualmente como a Zuleica em “Pantanal”, a atriz Aline Borges contou que quase aceitou o convite para participar do “Power Couple”, que tinha o cachê de 80 mil reais.

Segundo a artista, o motivo era que ela e o seu marido, o ator Alex Nader, estavam passando por dificuldades financeiras e quase aceitaram a proposta. Porém, ela recusou pois foi escalada para o filme “Alemão 2”.

“Estávamos numa situação muito complicada. O dinheiro estava praticamente no fim quando recebemos esse convite. Não que eu tenha nada contra quem participa, mas era algo totalmente diferente dos nossos objetivos. A gente acabou decidindo que, se em uma semana não aparecesse nada, a gente aceitaria. Que se dane o que fossem pensar. Nos ajoelhamos e rezamos para aparecer algo. Acabou que, em poucos dias, fomos escalados para o filme Alemão 2” – disse a artista em entrevista ao Jornal O Globo

Aline ainda elogiou a personagem: “A Zuleica é uma mulher forte e independente. Essa chegada ao Pantanal fez com que ela se recolhesse e se tornasse submissa ao marido. Ela vai precisar passar por todo esse processo para renascer e se encontrar novamente. Estou muito feliz de dar vida a uma personagem que traz tantas questões para serem refletidas. Ainda mais por estar cercada por atores tão geniais, como o Murilo e os outros mais jovens, que também são incríveis”, disse ela

A artista também valoriza a abordagem sobre racismo na história: “O Bruno [Luperi] resolveu trazer essa discussão tão pertinente e atual para a trama. Desde o início, ele quis a participação e a opinião do nosso núcleo em todas as sequências sobre o tema. Temos um grupo no WhatsApp com ele e, durante a novela, trocamos muitas ideias. Ele sempre foi muito aberto às nossas ponderações. Eu nunca tinha tido uma experiência assim na minha carreira”.

“Eu demorei a me aceitar como uma mulher preta. E eu sou irmã gêmea de um homem preto retinto. Durante muito tempo, entre a infância e a adolescência, eu reneguei e tinha vergonha dele. Ele sempre era o alvo de brincadeiras racistas por onde fôssemos. Também na juventude eu tinha vergonha do meu nariz e cheguei a pensar em operar, algo de que eu teria me arrependido profundamente. Por isso, acho tão importante falar sobre o racismo e também empoderar profissionais pretos, para que outras pessoas olhem e se sintam representadas”, arrematou ela.

Advertisement
Advertisement
Advertisement

More in:Televisão