Crítica

Crítica “Invocação do Mal 3: A Ordem do Demônio” é o mais pesado da franquia

O terceiro filme da franquia de terror que possui diversos derivados como “Annabelle” e “A Freira”, é o primeiro a não incluir o cineasta James Wan, e o resultado é um filme mais envolvente, aterrorizador, sombrio e cativante.

O filme conta com um elenco devastador, com nomes de grande renome, como Vera Farmiga, Patrick Wilson (que também contracenou em Sobrenatural, outro filme de James Wan), Julian Hilliard (grande destaque da série “A Maldição da Residência Hill” da Netflix), além de John Noble e Eugenie Bondurant.

O novo filme lançado pela New Line Cinema e a Warner Bros. conta mais um caso do casal Ed e Lorraine Warren, revelando uma história arrepiante de terror, assassinatro e um mal desconhecido wue chocou até experientes investigadores paranormias da vida real do casal. Começando com a luta pela alma de um menino, em seguida, os leva até algo que jamais viram antes, para marcar a primeira vez na história dos Estados Unidos que um suspeito de assassinato alegaria ter sido possuído por um demônio como defesa.

O diretor responsável Michael Chaves, usa como combustível situações e detalhes de uma vida “normal” num mundo paranormal entre os personagens principais com o objetivo de cativar e apelar para o lado sentimental do espectador, trazendo ainda mais brilho para o arco narrativo.

Chaves toma como objetivo a química de Ed e Lorraine, trazendo mais tensão as cenas aterrorizante, e escancarando o fato de que o sobrenatural esteja tirando um pedaço maior do que deveria das vidas dos dois. O filme traz a tona o desespero do desconhecido ao mostrar o casal tendo sua vida quase que comprometida por um mal poderoso nunca antes visto, as dificuldades do mundo humano ao tentar combater o público e a imprensa e a primeira vilã humana da franquia.

Sem James Wan o filme se torna sublime em muitos aspectos. Além da trama muito bem desenvolvida que lhe emerge de corpo, alma e coração na história, ele traz consigo atuações espetaculares de personagens como o ator mirim que interpreta David e Ruairi O´Connel como Arne. O filme faz uso de outro ângulo ao apresentar a história de Arne, já que o mesmo cometeu homicídio, o longa o trata como uma vítima de forças malignas além de sua compreensão.

Porém, se presencia a diminuição de “jumpscares”, uma das bases da franquia, muito requisitado pelos fãs de terror. Tal artifício foi sacrificado em meio de aprofundar a trama, e provavelmente trazer um filme mais perspicaz, inteligente e assustador na próxima vez.

Após cinco anos desde o último filme, sem a presença de James Wan, um dos cineastas mais requisitados do gênero terror moderno, o novo diretor responsável pelo novo longa consegiu com sucesso aperfeiçoar a fórmula criada por Wan, e fez um filme ainda mais profundo e aterrorizante que os outros filmes passados, considerando esse o melhor e mais assustador da franquia.

SaraFreitas
Apaixonada por cinema!

More in:Crítica