CinemaCrítica

Crítica – “Frozen 2” tem uma ótima história e uma falta de música marcante

Hoje chega aos cinemas o tão aguardado “Frozen 2”, que mostra a aventura de Elza, Anna, Olaf, Kristoff em busca da Floresta Encantada para salvar o reino de Arendelle.

Assim como no primeiro filme da animação, o segundo mantém a o fôlego da história em conta a origem da família das princesas e da construção de seu reino através de um tratado feito pelo seu avô com o povo indígena da região, que acaba sendo rompido em virtude de um ato de seu avô e que agora a natureza o cobra, com isso, a turma tem que acabar tendo que enfrentar os quatro elementos naturais (terra, ar, fogo e água) para o combater.

Além dessas origens, também é dito sobre os poderes de Anna e como os seus pais, a Rainha Iduna e o Rei Agnarr, se conheceram e acabaram se casando. São assuntos importantes para uma saga que se consolidou e mostrou até hoje ser uma das animações mais rentáveis da história. Com isso, mostra um fato que foi praticamente com quase todos os filmes de animação lançados pela Disney nessa década: o da emoção. Vai ser impossível assistir Frozen e não acabar se emocionando em algum momento, seja pela história ou seja pelo fato dos personagens em algum momento acabar marcando a sua vida. É uma tática que o estúdio vem fazendo a anos, vide “Toy Story 3”, e que acaba cativando um público. E “Frozen 2” isso acaba não escapando.

Outro ponto em que merece ser destacado é que caso não tenha visto o primeiro filme (o que é praticamente impossível), não precisa ver para ir assistir o segundo. A próprio Olaf acaba fazendo uma retrospectiva bem humorada de tudo o que rolou, sendo um dos grandes destaques do filme. Aliás, falando no personagens, nesta sequência o boneco de neve acaba tendo bem mais destaque e sendo ainda mais cômico do que foi no filme de 2013. Isso sem falar da dublagem brasileira do Fábio Porchat, que veio totalmente de encontro com o personagem.

Mas há outro ponto de diferente no segundo filme, é o fato de faltar uma música marcante assim como foi “Let It Go” lá em 2014. Tem boas canções, mas nenhuma com o mesmo reconhecimento da música que foi sucesso na voz da Demi Lovato. Poderá até soar como chiclete e ficar na sua cabeça, mas dificilmente será como “Livre Estou” ou até mesmo “Quer Brincar na Neve”. Isso também vai de encontro com o que o filme é ambientado. Porém isso não acaba tirando o encanto da animação.

Não espere muito tempo e não perca Frozen 2!

More in:Cinema