Crítica

Crítica – ‘Assalto na Paulista’ tem ação e bom roteiro

Dirigido por Flavio Frederico, o filme “Assalto na Paulista” é carregado de ação, drama e uma montanha russa de sentimentos. Apesar de ser inspirado no cenário real de um dos maiores assaltos a banco na história do Brasil em 2011, o longa nos faz conhecer de perto a história de um grupo de assaltantes que são fictícios. Cada um com sua personalidade e bagagem psicológica.

Os personagens principais Rubens (Eriberto Leão) e sua filha adotiva Leônia (Bianca Bin) ditam o tom da trama através das suas histórias individuais mas também do seu laço fraternal. É muito interessante acompanhar a dinâmica e relacionamento dos dois. Pessoas fortes, decididas e que oscilam entre os lados da razão e emoção.

A baiana Leônia, com apenas 15 anos, precisou fugir da casa onde morava com sua família biológica por conta dos abusos que sofreu do seu pai. Acabou tendo seu caminho cruzado com o da caminhoneira Jana (Daniela Nefussi), que trabalha para Rubens, entregando mercadorias. O destino das suas vidas fez com que um laço familiar e também profissional fosse formado entre os três.

O filme nos mostra o processo do roubo desde seu planejamento com todo o grupo envolvido até a sua execução e consequências. O curioso é que podemos ver momentos marcantes no passado dos personagens, principalmente os que envolvem seus traumas, conforme as cenas avançam.

Apesar desse projeto ter o assalto milionário como foco, isso muito claro pelo próprio título, a relação entre todos os personagens é o elemento mais cativante da história. Como traumas moldam a personalidade desses seres humanos e fazem com que tomem decisões e se portem da maneira que fazem entre eles e diante de situações. Nesse caso, do roubo e do que pode interferir no decorrer desse plano.

Outra característica marcante do filme é a trilha sonora. Ao longo dos minutos, somos impactados por músicas de variados gêneros que compõem a música brasileira, como o sertanejo e o rock nacional. Cada canção foi selecionada pela roteirista Mariana Pamplona.

Advertisement
Advertisement
Advertisement

More in:Crítica