Crítica

Crítica: “Mortal Kombat” traz cenas de ação nostálgicas e empolgantes

O longa baseado nos famosos jogos do mesmo nome estreia esta semana no Brasil, trazendo com si cenas nostálgicas e cativantes de levantar os pelos detrás da cabeça.

Trailer de Mortal Kombat. (Reprodução/Youtube)

A saga de jogos foi fundada em 1992, enquanto que os filmes só começaram a ser produzidos em 1995, com o mesmo título, dirigido por Paul W. S. Anderson. Este longa possui em seu elenco Jessica McNamee, Lewis Tan, Joe Taslin, Hiroyuki Sanada e Mehcad Brooks.

Em Mortal Kombat, o lutador de MMA Cole Young, acostumado a apanhar por dinheiro, não faz ideia da herança que carrega, ou por que o Imperador da Exoterra, Shang Tsung, enviou seu melhor guerreiro, Sub-Zero, um criomancer de outro mundo, para exterminar Cole. Temendo pela segurança de sua família, Cole sai em busca de Sonya Blade por recomendação de Jax, um major das Forças Especiais que tem a mesma estranha marca de nascença na forma de dragão que Cole. Logo, ele se encontra no templo do Lorde Raiden, um Deus Ancião e protetor do reino da Terra, que acolhe aqueles que ostentam a marca. Lá, Cole treina com os experientes guerreiros Liu Kang, Kung Lao e o mercenário vigarista Kano, à medida que se prepara para enfrentar, ao lado dos maiores campeões da Terra, inimigos oriundos da Exoterra em uma arriscada batalha pelo universo.

Um dos destaques do filme são as extensas cenas de ação, e seus efeitos especiais que trazem, não só para os fãs do jogo, mas para quem está vendo pela primeira vez, um cheiro de nostalgia perversa de afinar os poros dos braços, principalmente com a experiência Imax. Deixando-o ainda mais atraente e cativante.

Porém a falta de informação ao redor da trama deixa o espectador um tanto confuso por todos os termos específicos da saga, sendo necessário uma pesquisa prévia de todos os filmes para poder finalmente entender a história por trás dos personagens.

Por fim, o longa Mortal Kombat não deixa de decepcionar e acaba valendo o valor do ingresso, pois traz ainda mais ânimo e curiosidade sobre a trama, fazendo com que o espectador queira assistir os filmes da saga.

SaraFreitas
Apaixonada por cinema!

More in:Crítica